Você está visualizando atualmente Deputados pedem punição à Vai-Vai com bloqueio de recursos públicos

Deputados pedem punição à Vai-Vai com bloqueio de recursos públicos

Pedido foi encaminhado a Ricardo Nunes e Tarcísio de Freitas

O deputado federal Capitão Augusto (PL-SP) e o deputado estadual Dani Alonso, do mesmo partido, enviaram ofícios ao governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, e ao prefeito da capital paulista, Ricardo Nunes, cobrando que os dois adotem medidas para punir a escola de samba Vai-Vai por conta do desfile do último sábado (10).

Os parlamentares querem que a agremiação seja impedida de receber recursos púbicos tanto da prefeitura como do estado no próximo ano.

– Proponho que a escola de samba Vai-Vai seja proibida de receber qualquer forma de recurso público no próximo ano fiscal, como forma de sanção pela conduta irresponsável e ofensiva demonstrada. Tal medida não apenas servirá de punição apropriada, mas também como um claro sinal de que ofensas contra as instituições e profissionais de segurança não serão toleradas em nosso estado – diz ofício para Tarcísio de Freitas. O mesmo pedido foi enviado a Nunes.

Na tarde desta terça-feira (13), o prefeito de São Paulo informou que não recebeu o ofício, mas que irá analisar o pedido feito pelos parlamentares.

A escola foi a primeira a desfilar no último sábado, no sambódromo do Anhembi, em São Paulo. A agremiação levou o enredo Capítulo 4, versículo 3 – Da Rua e do Povo, o Hip Hop: Um Manifesto Paulistano. Uma das alas era composta por pessoas fantasiadas de policiais do batalhão de choque. Eles usavam chifres e asas vermelho-alaranjadas, fazendo alusão a demônios. A associação com a PM já havia provocado protestos entre policiais e políticos.

– A que ponto chegamos? – questionou o deputado Alberto Fraga (PL-DF), presidente da bancada da bala e 1º vice-presidente da Comissão de Segurança Pública da Câmara.

O Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Sindpesp) reclamou do desfile, dizendo que a escola “tratou com escárnio a figura de agentes da lei”.

– Como o próprio nome diz, tratou-se de um manifesto, uma crítica ao que se entende por cultura na cidade de São Paulo, que exclui manifestações culturais como o hip hop e seus quatro elementos – breaking, graffiti, MCs e DJs. Além disso, o desfile buscou homenagear e dar vez e voz aos muitos artistas excluídos que nunca tiveram seu talento e sua trajetória notadamente reconhecidos – diz a nota da escola de samba, divulgada nesta segunda (12).

– Além disso, é de conhecimento público que os precursores do movimento hip hop no Brasil eram marginalizados e tratados como vagabundo, sofrendo repressão e, sendo presos, muitas vezes, apenas por dançarem e adotarem um estilo de vestimenta considerado inadequado pra época. Ou seja, o que a escola fez, na avenida, foi inserir o álbum e os acontecimentos históricos no contexto que eles ocorreram, no enredo do desfile – finalizou.

*AE